6 Mai 2020

No passado, as mercadorias costumavam ser enviadas a granel. Em termos simples, as pessoas atiravam literalmente sacos com batatas, barris de vinho, ou caixas de madeira de várias dimensões com pistolas para uma carruagem puxada por cavalos ou mais tarde para um camião. Depois dirigiam-se à estação ferroviária mais próxima, onde tinham de descarregar a carga e carregá-la para um vagão ferroviário. Depois disso, o comboio transportava a mercadoria para o porto mais próximo, onde a mercadoria teve de ser carregada de novo num navio. Depois de chegar ao porto de destino, todo o processo foi repetido em ordem inversa.

Este sistema tinha muitos inconvenientes. A recarga de cargas não padronizadas de muitas dimensões consumia tempo e pessoal, a capacidade de carga (especialmente dos navios) estava longe de ser utilizada da melhor forma, a carga não estava suficientemente acondicionada, o que representava um elevado risco de perda ou dano da carga, especialmente durante as tempestades marítimas. O risco de avaria era ainda maior porque as mercadorias não estavam suficientemente protegidas. O sistema também facilitou o trabalho dos ladrões.

 

Carregamento de carga break bulk

Carregamento de carga break bulk

Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/8/85/Korean-war-merchant-marine-load.jpg/440px-Korean-war-merchant-marine-load.jpg

 

Já nos finais do século XVIII, começaram a aparecer os primeiros contentores de transporte marítimo pequenos com uma estrutura metálica de madeira. No entanto, cada empresa de transporte utilizou diferentes tipos de contentores, e estes ainda não eram intermodais, por isso, não era possível utilizá-los para o transporte por trens ou camião e também para o transporte por navio. Apenas no século XX e, principalmente a segunda metade do mesmo, significou um passo significativo no desenvolvimento dos contentores marítimos.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Exército dos Estados Unidos começou a fazer experiências com o transporte de contentores. Utilizaram essa experiência em 1948 quando desenvolveram o chamado Transporte – um contentor padrão, todo de metal, empilhável, que podia ser carregado diretamente de um navio para um camião e vice-versa. As suas dimensões eram 8′ 6″ em comprimento, 6′ 3″ em largura e 6′ 10″ em altura.t. O Transporte provou a sua eficácia durante a Guerra da Coreia (1950-1953) – graças a ele, o exército foi capaz de acelerar significativamente o fornecimento das suas tropas e aumentar a segurança das mercadorias transportadas. Perto do fim da Guerra da Coreia, o exército americano melhorou ligeiramente os Transportadores, criando as chamadas caixas CONEX (CONtainer EXpress). Em 1967, quase na metade da Guerra do Vietname, o exército americano utilizou mais de duzentos mil Conexos.

 

Conex box içada para um camião do exército americano

Conex box içada para um camião do exército americano

Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Conex_box

 

Os êxitos alcançados em logística pelo Exército dos EUA foi notado por companhias de navegação de todo o mundo, que começaram a apresentar as suas próprias soluções de contentores intermodais. Malcom McLean, o proprietário da McLean Trucking Company, desempenhou um papel importante. Em 1955, começou a trabalhar com o engenheiro mecânico e inventor Keith Tantlinger para desenvolver um contentor intermodal moderno. O resultado foi um contentor de 8 pés de altura, 8 pés de largura e 10 pés de comprimento construído em aço corrugado de 0,098 polegadas de espessura com um mecanismo de torção nos quatro cantos superiores para fácil fixação e elevação por grua. McLean também comprou dois petroleiros do Exército dos EUA utilizados na Segunda Guerra Mundial e mandou reconstruí-los para transportar estes contentores. Após a bem sucedida viagem inaugural do primeiro deles em 1957, Tantlinger persuadiu McLean a disponibilizar livremente o design dos contentores, abrindo caminho para a normalização internacional de contentores intermodais.

 

Malcom McLean no Porto Newark, 1957

Malcom McLean no Porto Newark, 1957

Fonte: https://cs.wikipedia.org/wiki/Malcom_McLean

 

Após uma série de discussões e compromissos entre transportadoras internacionais e transportadoras ferroviárias e rodoviárias americanas e europeias, finalmente chegaram em um acordo sobre dimensões e formas padronizadas, que foram posteriormente registadas em 1968 em ISO 668. Nesta norma, as dimensões já são as mesmas que as conhecemos hoje.

A utilização de contentores representa um marco essencial na história do transporte internacional, que, juntamente com outros fatores, está por detrás do desenvolvimento massivo do comércio internacional. Hoje em dia, a porção de mercadorias transportadas pelo contentor – modal marítimo estima-se ser de 90%.

Este artigo é o primeiro de uma minissérie de três partes sobre contentores marítimos. No segundo artigo, vamos apresentar os diferentes tipos de contentores e para que são utilizados.